Um comentário

  1. angela.carneiro
    angela.carneiro 8 de maio de 2014 at 18:17 |

    Quebradeiros, quebradeiras atentem para o trabalho território de Priscila. Muito bom o mapeamento que você apresenta aos colegas. Formas de fazer coletivamente acontecer nas composições de redes. Novas conexões, novos desafios e aberturas de caminhos.
    Interessante como cada ponto de rede coopera, por funções diferentes, na ampliação dos processos de participação: posto de observação, escuta implicada, divulgação e o fórum espaço de encontro permanente entre o cidadão, as organizações civis, artísticas e o poder público. Ou seja, a construção de um modo que agencie um campo coletivo de forças. Vamos saber mais sobre essa experiência!

    Reply

Deixe um comentário