11 comentários

  1. DeniseKosta
    DeniseKosta 18 de março de 2013 at 15:30 |

    EU SEMPRE FALO DAQUI.
    E VOCÊ? DE ONDE ME OUVE?

    Reply
  2. Delano Valentim
    Delano Valentim 14 de março de 2013 at 16:04 |

    oie… me desculpem… não deu tudo, o final está no blog… rsrsr

    Reply
    1. Bea Meira
      Bea Meira 14 de março de 2013 at 16:36 |

      Delano manda pro meu email, vamos publicar o texto no site inteirinho! Aguardem…

      Reply
  3. Delano Valentim
    Delano Valentim 14 de março de 2013 at 16:04 |

    A Cidade Mais Linda Do Mundo

    eu passei a virada do ano na cidade mais bonita do mundo. na praia mais linda da cidade mais bonita do mundo. onde tem o povo mais simpático e mais sexy do mundo. que coincidentemente é o povo que mais copula e que mais trai no mundo. onde tem as mulheres mais lindas do mundo. onde tem a maior festa popular do mundo. onde tem o time de futebol que tem a maior torcida no mundo (fato). onde tem o povo mais feliz do mundo. onde tem a queima de fogos mais linda do mundo. tudo aqui é o melhor do mundo. não sou eu quem diz. são as pesquisas. fiquei na areia vendo aquela profusão de alcoólicos em alegria histérica. rolando na areia e no final parecendo bife a milanesa. abrindo champanhe dentro da água e gritando. eu sou feliz. como se para que a sentença se tornasse verdadeira fosse necessário repeti-la. um gringo. não me contive de tanta felicidade… ai. ai… realmente adorei o show. e a lua. e depois a queima de fogos com a trilha sonora formidável. e as propagandas da prefeitura com os principais artistas da cidade me convenceram de que vivo numa cidade maravilhosa. as pessoas no alto dos prédios admiravam a queima de fogos, como se dissessem para aqueles que estavam embaixo, temos uma visão melhor que a de vocês. e as pessoas nos transatlânticos admiravam de longe, e pareciam querer repetir a mesma frase de camarote. deviam se sentir salvas separadas por quilômetros de água daquela muvuca. eu também queria estar lá. num navio daqueles. só para que gente não tivesse dúvidas de onde estávamos.. vi alguns crackudos trombando as pessoas na areia com esperança de arrancar alguma coisa dos seus bolsos. e confesso que cavoquei o chão com os pés a procura de algum objeto perdido. um gringo alcoólatra caia em minhas costas. enquanto a minha mina sussurrava em meu ouvid

    Reply
  4. Haroldo Cesar de Castro Silva
    Haroldo Cesar de Castro Silva 14 de março de 2013 at 11:41 |

    Quando falo do Rio, no Rio ou pro Rio, eu falo de todos, de tudo…por que o Rio é tudo, é de todos, todos estão no Rio, o Rio está em todos. O Rio tem todos os climas, todas as belezas, todos os idiomas, todas as gírias, montanhas, mar, floresta, riquezas e até um vulcão (pra nossa sorte adormecido).

    Reply
  5. Claudina Oliveira
    Claudina Oliveira 14 de março de 2013 at 0:45 |

    Eu tenho uma relação visceral com os lugares e nos momentos que habito.
    Isso não significa que vou me esparramar, revolver-me em toques e gotas molhadas, nem permanecer indiferente ao óbvio e dissimulado. A minha expectativa é difusa, pois parte do meu anseio de compartilhar saberes e haveres, ausências e encontros, estigmas e paternalismos embalam meus desejos e decepções. Sou oriunda da fome diante da vastidão, e estou na cidade, no tempo do mundo que me traz aqui.

    Reply
  6. DeniseKosta
    DeniseKosta 13 de março de 2013 at 23:22 |

    DE QUE RIO ESTAMOS FALANDO?

    Falo de um Rio só meu, maiúsculo! E, ainda assim, repleto de afluentes que, influentes, modificam a cada segundo o curso desta resposta.

    Meu Rio nasceu na Vila, subiu quebradas, desceu estradas e quando encontrou o mar provocou uma tremenda pororoca! Que fenômeno!

    É bravo, guerreiro, pois mesmo estreitado às margens da política e da violência, segue simpático pedindo passagem…

    Quem resiste desse jeito?

    Eu sei, exagerei. E daí? Seja o seu Rio
    melhor ou nem tanto, eu respeito.

    Mas, com licença, estou falando do Meu Rio.

    Por isso, ele vai seguir fluindo pela cultura, transbordando criatividade e inundando o mundo de vontade de beber na fonte da sua beleza! Vai, Rio.

    Meu Rio®. Duvido que alguém tenha um igual.

    DeniseCariocaKosta

    Reply
  7. Cristina Hare
    Cristina Hare 13 de março de 2013 at 17:08 |

    O lugar de onde eu falo nunca é geográfico ,no entanto os “lugares” afetam significativamente o meu discurso…
    Até quanto eu conseguiria falar , se deprovida de localização? Seria como tentar separar o SER do ESTAR…
    Adorei esse questionamento , instigante, intrigante…

    Reply
  8. Sandra Lima
    Sandra Lima 11 de março de 2013 at 18:16 |

    Onde esta meu pensamento, é meu lugar!
    Penso e logo meu lugar existe.

    Reply
  9. jussara@calicotrio.com.br
    jussara@calicotrio.com.br 11 de março de 2013 at 16:37 |

    Falo normalmente da região onde habito… Mesmo andando em vários lugares do Rio.
    Muito boa abordagem. Grande Sandra, que traz a palavra na língua do tempo!!!

    Reply
  10. Luana Dias
    Luana Dias 11 de março de 2013 at 15:56 |

    Não pude participar do primeiro encontro e perdi a discussão. No entanto, achei muito boa a provocação…

    O lugar de fala depende muito. Por exemplo, posso falar como moradora da Vila Kennedy, como produtora institucional, ou como aluna da UQ ou – respondendo a pergunta da prof Sandra – como cidadã carioca (que pode englobar todos os lugares de fala que mencionei anteriormente)

    Reply

Deixe um comentário