Dia 10 na UQ: O Museu que queremos e Pernambuco Experimental

Amanhã, dia 10 de dezembro, na primeira parte do nosso encontro teremos uma mesa para debater o tema O Museu que queremos.

Participarão da mesa:

Janaína Melo (MG): é historiadora com atuação na área crítica de arte, curadoria, pesquisa e ensino de história da arte. Graduada em História (FAFICH/UFMG) e pós-graduada Pesquisa e ensino em Arte Contemporânea (Escola Guignard, UEMG). Foi coordenadora do Departamento de Artes Visuais do Museu de Arte da Pampulha, entre 2005 e 2007. Assistente curatorial do Programa Rumos Artes Visuais do Itaú Cultural (2008-2009),. Foi Curadora de Arte e Educação do Instituto Cultural Inhotim, Brumadinho (MG) entre 2007 e 2012 e atualmente é Gerente de Educação do MAR – Museu e Arte do Rio e Escola do Olhar.

Junior Perim: nasceu em São Gonçalo em uma família muito pobre. Dos 11 aos 14 anos, trabalhou num abatedouro, e aos 15 anos foi ser office-boy no Rio de Janeiro. Em 2000, Perim passou a integrar a diretoria da Escola de Samba Porto da Pedra e idealizou um projeto social voltado para crianças e adolescentes na Porto da Pedra. Do amigo e palhaço Vinícius Dalmas veio a ideia de acrescentar o circo ao projeto. Era o embrião do Crescer e Viver, criado oficialmente em 2003. Seu papel no Crescer e Viver é desenvolver redes, fomentar o desenvolvimento institucional do projeto e atuar para manter viva a tradição do circo.

Pablo Ramoz: ator, graduado em Fonoaudiologia pela UNESA em 2004, resolveu desde 2008 não somente tratar a voz, mas, planejar estratégias para dar voz (Eco) aos movimentos socioculturais da periferia, especialmente em Santa Cruz, bairro onde mora, localizado ao extremo oeste da cidade do Rio de janeiro.  Possui como área de interesse e pesquisa a Museologia Social, trabalhou no Ecomuseu de Santa Cruz e, atualmente, está a frente de um grupo que está implementando o projeto Museu de Rua, na comunidade do João XXIII, também em Santa Cruz, além de integrar a equipe de gestão da Arena Carioca Jovelina Pérola Negra, na Pavuna. Pablo Ramoz é Mestre quebradeiro.

Darlan Batista:  É quebradeiro da 4a edição, trabalha no MAR e tem como principal campo de pesquisa o estudo sobre o uso dos museus na educação.

Na segunda parte do encontro seguiremos para a galeria onde todos participam da conversa de galeria com os artistas da exposição Pernambuco Experimental.

A conversa é uma programação da abertura a exposição e consiste numa fala do artista a partir do trabalho em exposição com o o público ali reunido que pode fazer perguntas e comentários.

Às 15 horas, os artistas Paulo Bruscky, Daniel Santiago, Silvio Hansen vão conversar sobre os anos 1960/70 e suas diversas estratégias de criação, circulação e resistência.

7 comentários

  1. josé orlando
    josé orlando 11 de dezembro de 2013 at 12:46 |

    Feliz o título:O museu que queremos.E queremos mostrar nosso pensamento e o que vemos.O debate foi profícuo na relação em que a maioriados Quebradeiros opinaram de forma efetiva, na intenção de poder encontrar melhorias ao que já tem um padrão e que já tem uma excelência nos projetos e
    curadoria.Sempre há algo que podemos melhorar e isso começa a partir de dentro: esperamos poder usufruir mais do repertório vasto de cultura e informação,cuidar do patrimônio como riqueza e dádiva,poder contribuir sempre para seu funcionamento,poder ajudar com idéias.O Museu veio consolidar o porto como ambiente cultural,partamos nessa viagem!!!

    Reply
  2. josé orlando
    josé orlando 11 de dezembro de 2013 at 12:21 |

    POEMA
    Que minhas crianças entrem pelas portas do museu
    que elas possam correr por entre os quadros
    mas que também elas possam entendê-los,mastigá-los,deglutí-los.
    Meus amigos vem vestidos de palavras:
    vendem poesia por suas pedras seus portos,suas lavras
    comem poesia na lanchonete do sonho,
    Próximo, pessoas privadas passam,são pessoas públicas essas que miram o mar?
    É incontinenti essa gestão desde início
    tambores soam a cada parede de silêncio,
    a cada esquina em som uníssono
    São Saúdes,Gamboas,Santos-Cristos
    sentinelas nascidos desde dentro.
    É o patrimônio do sangue que está vivo
    que pulsa a cada olhar perante as esculturas
    no grafite pós traumático pós branqueadura
    Ver famílias frequentando museus novos
    no rico e exuberante itinerário dos povos.

    Reply
  3. Mauro Cleverson
    Mauro Cleverson 10 de dezembro de 2013 at 10:22 |

    Vou gostar deste encontro! Quero entender e conhecer Instituto Inhotim.

    Reply
  4. Jandir Jr.
    Jandir Jr. 10 de dezembro de 2013 at 0:25 |

    UHUUUULLL!!!! Incrível!

    Reply
  5. Iris
    Iris 9 de dezembro de 2013 at 21:21 |

    Não creio que eu vou perder esse encontro!
    =(

    Reply
  6. Denise Lima
    Denise Lima 9 de dezembro de 2013 at 19:48 |

    Que maravilha! Perim é um querido de anos, será delicioso ouvi-lo.

    Reply
  7. Aguida
    Aguida 9 de dezembro de 2013 at 14:59 |

    Maravilha galera! Q bacana vai ser

    Reply

Deixe um comentário