9 comentários

  1. rute casoy
    rute casoy 7 de maio de 2013 at 11:22 |

    Segundo a autoridade no assunto e professor nas Quebradas na Rocinha Paul Heritage, Shakespeare, pasmem, para usar as suas exatas palavras, foi um ladrão de histórias! Releitura é palavra chave para entender o maior nome da literatura no ocidente de todos os tempos! e põe debate nisso gente!

    Reply
    1. Bea Meira
      Bea Meira 7 de maio de 2013 at 12:25 |

      Rute, os grandes artistas são como imãs. Absorvem tudo que está no ar e sintetizam de forma brilhante sua época. Vale para muitos; Picasso, Shakespeare, entre outros.

      Reply
  2. angela
    angela 6 de maio de 2013 at 12:46 |

    É, pobre do Noel, a questão não era um coronel, mas a vontade da vida passar em Julieta por outros caminhos…o que será que ela responderia?
    Vide Chiquinha Gonzaga, Ceci, Isadora Duncan…

    Reply
  3. angela
    angela 6 de maio de 2013 at 11:14 |

    Trago Noel Rosa com sua Julieta. O bichinho sofreu e para variar fêz uma música:

    http://letras.mus.br/noel-rosa-musicas/682915/

    Reply
  4. Leda Lessa
    Leda Lessa 5 de maio de 2013 at 20:02 |

    Encontrei a matéria de divulgação deste espetáculo e acho interessante essa proposta. A trilha sonora é bem brasileira com xote, samba e forró.
    Fause Haten desenvolve figurino inspirado em Romeu e Julieta para o musical Monica e Cebolinha A peça é inspirada no clássico Romeu e Julieta de William Shakespeare, com releitura e estilo de Mauricio de Souza adequado ao universo da “Turma da Monica” (.http://www.heloisasantos.com.br/f).

    Reply
  5. Bea Meira
    Bea Meira 3 de maio de 2013 at 18:29 |

    Agora respondendo o que a Sandra perguntou, inspirada pela Denise.
    Das histórias de amor impossível, eu gosto de Tristão e Isolda. Foi arrebatador na minha juventude. O livro foi como uma poção mágica me enredou para sempre.

    Reply
  6. DeniseKosta
    DeniseKosta 3 de maio de 2013 at 17:57 |

    Acho que esqueci um que e uma crase… rs. Se esqueci, inverti ou acrescentei algo, agradeço aos revisores de plantão 🙂 Beijo.

    Reply
  7. DeniseKosta
    DeniseKosta 3 de maio de 2013 at 17:50 |

    Mais uma vez, adorando reler com novos olhos e exclamações os Montéquios e Capuletos shakespearianos. 🙂

    Para responder à pesquisa da Sandra Portugal, comecei uma pesquisa virtual e encontrei um link com um apanhado de referências bastante interessantes. Dentre as referências citadas, o texto trata de anterioridade e faz alusão a A Divina Comédia, de Dante Alighieri, que, já nos idos de 1300, descrevia em sua obra as famílias Montecchi e Capelletti como participantes de uma disputa comercial e política na Itália.

    Apesar de parecer contribuir como resposta, o “site” disponibiliza o texto, termina a matéria observando não se responsabilizar pela confiabilidade das fontes… Então, ficam no ar muitas dúvidas, pelo menos, até que encontremos um jeito de comprovar o tal conteúdo.

    Estaca zero novamente? Considero que não.

    Melhor que uma resposta definitiva é abrir a mente e compreender o campo de infinitas possibidades – passadas e futuras – que esse desafio significa.

    Fica o link para quem desejar acessar: http://pt.wikipedia.org/wiki/Romeu_e_Julieta

    🙂
    DeniseKosta

    Reply
  8. Bea Meira
    Bea Meira 3 de maio de 2013 at 16:54 |

    Sandra, eu sei que não foi isso que você perguntou, mas eu gosto muito deste Romeu e Julieta:
    http://www.youtube.com/watch?v=kAhMFnvW5a0

    Reply

Deixe um comentário