Um comentário

  1. juliana Barreto
    juliana Barreto 14 de março de 2014 at 13:15 |

    Conheci de perto o Quilombo do Campinho, vi e ouvi relatos e experiências que confirmam tudo o que li aqui. A luta por “sobrevivência” eles é intensa. Digo sobreviver conforme quem são, com toda vitalidade de seus ancestrais e raízes culturais. Me apaixonei pelo consciência ambiental das famílias, como se relacionam com a natureza e como estão empenhados no cultivo da Jussara. Um lugar e pessoas com quem eu passaria semanas, só para aprender!!!

    Reply

Deixe um comentário